Marcha de absorção de nutrientes e o impacto no manejo nutricional

Quais fatores afetam a absorção de nutrientes pelas folhas?
24 de maio de 2021
Gessagem agrícola
Gesso agrícola: para que serve?
17 de julho de 2021
Marcha de absorção foliar

Marcha de absorção e o impacto no manejo nutricional

Texto: Marluce Corrêa e Rafaella Diniz

Quando falamos em nutrição de plantas e fertilizantes foliares, um aspecto extremamente importante é saber a forma e momento correto para tomada de decisão no manejo nutricional. Um dos aspectos que merecem atenção é a marcha de absorção de nutrientes para cada cultura e cultivar utilizada.

A marcha de absorção de nutrientes corresponde ao comportamento da curva de absorção e os períodos de maiores ou menores exigências nutricionais da cultura. Esse índice irá variar de acordo com a espécie, época e o nutriente em específico. Isso ocorre porque a marcha de absorção está diretamente relacionada com a necessidade fisiológica da planta por cada nutriente em um momento distinto.

Por isso, é de extrema importância para os produtores saber qual a melhor época para se aplicar determinado nutriente e qual o nutriente requerido naquele momento. Isso possibilita uma aplicação racional de fertilizantes, visando uma melhor produtividade e redução de custos.

Tendo em vista esses aspectos, a recomendação das adubações é realizada com base na exigência nutricional da cultura, levando em consideração as épocas exatas onde ocorre os picos máximos de absorção de cada nutriente.

Marcha de absorção na soja

No caso da soja, a marcha de absorção sofre interferência inclusive do hábito de crescimento. Ou seja, aquelas com hábito de crescimento determinado possuem um comportamento de absorção, enquanto aquelas que possuem crescimento indeterminado apresentam um outro comportamento. A curva irá, portanto, variar para cada cultivar, época, nutriente, tipo de solo e ciclo da cultura.

O conhecimento das curvas da marcha de absorção da cultura da soja, nas diferentes fases de desenvolvimento, é importante para determinar as épocas em que os elementos são mais exigidos. A partir daí, é possível determinar a maneira de se realizar a aplicação dos mesmos, de acordo a mobilidade de cada um no solo. (DOMENE et al, 2017).

Marcha de absorção na prática

Em estudo realizado com cultivares de soja com hábito de crescimento indeterminado, Domene et al. (2017) identificaram que o incremento total dos nutrientes foi lento até 41 DAE (dias após a emergência), que correspondeu ao estádio caracterizado como início do florescimento. Após este, observou-se uma maior taxa de incremento dos nutrientes até atingir o máximo acumulado de N, P e K em folhas e caules, justamente na fase de enchimento de grãos.

Uma etapa importantíssima do ciclo da cultura é essa fase de translocação dos assimilados das folhas e caules para os grãos. Porque é nesse momento que todo o investimento realizado na cultura será convertido em massa de grãos, para conquista de altas produtividades. Por isso é preciso que o produtor esteja atento à forma que a planta realiza a absorção dos nutrientes para que ele tome as decisões certas, no momento correto e de forma mais eficiente.

Referências 

DOMENE, V.M.; PIANA, S.C.; BATISTA, M.A.; BRACCINI, A.L. Aferição da marcha de absorção de nutrientes de soja com hábito de crescimento indeterminado. In: 26º ENCONTRO ANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 2017,Universidade Estadual de Maringá / Centro de Ciências Agrárias / Maringá, PR.